• Mari - Ballet OnLine

Quais os riscos de fazer Ballet em casa



Eu perguntei em uma Live uma vez sobre quais riscos as pessoas achavam que poderíamos ter ao fazer Ballet em casa depois de adulta e achei bem interessante e curioso. Então, antes de listarmos aqui quais seriam esses riscos e falarmos sobre eles, gostaria de te perguntar também: quais os riscos que você imagina que existem?



Agora sim, vamos ao artigo!

Irei listar alguns riscos aqui por tópicos e descrever cada um deles, bora lá?


• Aprender errado: o nosso processo de aprendizagem acontece, basicamente de duas maneiras: a primeira é "entender", se eu não entendo o movimento, consequentemente não tenho como fazer, pois apenas "copiar" não é aprender; e a segunda é a "repetição", quando o professor monta uma aula e repete ela várias e várias vezes para que os alunos aprendam por repetição. Isso funciona muito bem para crianças, mas depois de anos que dou aula para adultos, sei que isso para eles é uma "chatice."

Quando se propõe algo novo nas aulas, a bailarina adulta se sente desafiada e subconscientemente entende que ela está melhorando, pois se o professor apenas repete, na cabeça dela, significa que ela não está evoluindo.

Aprender errado não é porque estou em casa, mas sim porque estou indo pelo processo de repetição. É preciso ir pelo processo de entender o movimento, saber o passo a passo e o que devo sentir no próprio corpo quando o movimento está certo e quando está errado.


• Medo de lesão: existem diversas maneiras de nos machucarmos, uma delas é por acidente. Você pode sofrer um acidente e se machucar, como escorregar por exemplo, em qualquer lugar seja numa sala de aula ou em casa.

Não se prenda a isso, é lógico que iremos tomar cuidado, colocando linóleo no chão, fazendo uma barra de PVC ou usando uma cadeira firme, usando uma sapatilha com uma sola mais apropriada caso o seu chão seja escorregadio, ou seja, se adaptando para diminuir os riscos de acidentes.

Agora, a lesão que ocorre por movimentos errados, esforço repetitivo, pode vir a acontecer em qualquer lugar também, mas se você estiver realmente aprendendo pelo processo de entender, você diminuirá e muito os riscos de se lesionar tanto em casa quanto na sala de aula.


• Não conseguir acompanhar a aula online: abe qual é a dificuldade de acompanhar a aula online? É que não temos de quem copiar. Por isso volto no tópico de que é importantíssimo que a bailarina adulta que irá fazer aula em casa, aprenda entendendo o que realmente ela está fazendo. E claro, participe de uma turma que está no seu nível, seja iniciante, intermediário ou avançado.

No meu Treinamento Ballet em Detalhes (TBD), por exemplo, tem várias vertentes. A primeira é por onde todo mundo entra, onde eu irei te ensinar o básico do meu método, que é baseado no processo de aprendizagem de "entender", essa primeira "fase" não tem como ser pulada, porque esse método não é ensinado nas escolas presenciais, apenas eu ensino. Depois que você concluiu essa fase, pode ir para o nível intermediário que é chamado de Kitri, pode ir para o 50+ caso você tenha mais de 50 anos, pode fazer e o TP4 que é um treino de pirouettes, enfim muitas coisas, mas para começar é preciso passar por aquela primeira fase.

Então, tem como acompanhar as aulas online? Sim, desde que você passe primeiramente pelo fundamento daquele professor, daquele método, daquele treinamento.


• Falta de disciplina (consequência: desistir): você pode se empolgar, tendo um cantinho da sua casa para as aulas, se organizar certinho para fazer as aulas durante a semana, mas manter a disciplina é muito difícil, porém não impossível.

Como fazer para mantê-la então? Crie um "pitbull" para correr atrás de você. Seja um desafio, seja uma amiga que te cobre se está fazendo as aulas, enfim algo que não te deixe procrastinar e consequentemente perder a sua disciplina.

Por exemplo, dentro do TBD, temos o Desafio 2.3 onde você tem diversas tarefas para cumprir e postá-las em um grupo fechado desse desafio, fazer aula três vezes na semana, com um prêmio de ganhar o TP4 no final, é claro, mas eu ensino disciplina lá dentro porque não quero que o aluno(a) desista.

Uma outra coisa que pode te ajudar muito, e que temos do TBD também, é participar de um grupo, porque dentro dele você verá pessoas que enfrentam diversas dificuldades como você, mas que mesmo assim persistem e assim você não irá desistir. Não esteja totalmente sozinha, tenha um grupo para apoio!


• Não ter correção: tem como ter correção, é o que eu ensino no meu treinamento, a base do meu método inclusive, é a autocorreção que é saber sem olhar se o movimento está errado ou certo, ou seja, aprender por "entender".

Olhando esses riscos, percebemos que a maiorias das coisas que achamos limitantes para fazer ballet em casa, na verdade, podem ser muito bem trabalhadas para que são sejam limites. Ou seja, se desenvolvemos a autocorreção vamos trabalhando cada uma delas.


Porém tem um risco que "pega" bastante. Sabe qual é?


• Não ter professor olhando: leia com os olhos certos o que direi agora, pode ser que não ter um professor olhando seja uma das melhores coisas para uma bailarina adulta, porque toda vez que um professor faz uma correção, é ELE que está fazendo, agora se você vê algo errado e você mesma conserta, a correção ficará mais fixada, pois você entenderá o porquê está errado. Se você tem um professor que tem tempo para parar a aula e te explicar o porquê está errado, o que você deve sentir, ótimo, mas se você não tem, é preciso que você entenda e explique para si mesma o porquê aquele movimento não pode ser feito daquela maneira. Assim, a tendência de errar de novo será muito menor, principalmente se depois de entender, você ficar repetindo (usando a autocorreção).


Agora para finalizarmos com chave de ouro, quais são os benefícios de fazer aula em casa depois de adulta?


• Ter tempo para estudar os movimentos, para desenvolver consciência corporal e autocorreção;


• Comodidade (não precisar se locomover até um local);


• Melhora da autoestima (você vê a si mesma fazendo aquilo acontecer, sendo responsável por si);


• Poder escolher os melhores dias e horários;


• Não ter vergonha, por não ter "ninguém" olhando;


• Equilíbrio físico e psíquico;


• Custo benefício;


• Sem julgamento.


Enfim, entre muitos e muitos outros benefícios, porém, o ensino online substituí o presencial?

Não, jamais! Pois é no presencial que você tem a oportunidade de se apresentar num palco, de ser desafiada pelo professor, de conviver fisicamente com outras bailarinas (tirando esse momento de pandemia, claro). Os dois são melhores, um não substitui o outro. Por isso que eu digo que a melhor opção, quando se pode, é fazer os dois.


"Show de bola?" Quais os riscos de fazer ballet em casa? Eu citei aqui, mas trilhando o seu caminho, você irá resolver, porque os benefícios são gigantes e valem muito a pena.


Baixe agora mesmo o Ebook gratuito "As sete Etapas da Bailarina Adulta" clicando na imagem.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo